Webinar 28 de Abril   

Horário: 18h BR – 22h PT

Assista à gravação da webinar Aqui

 

Violência no namoro

A violência no namoro é um problema social que tem chamado a atenção de muitos/as  pesquisadores/as nacionais e internacionais. Entretanto, ainda não lhe é dada a devida importância nos espaços educativos. É grande o número de jovens que já vivenciou ou vivencia situações de violência no namoro, sendo que, em muitos casos, nem sequer têm a consciência de serem vítimas ou agressores/as nessas situações. Há, não raro, uma total desvalorização/banalização dessa violência, considerando alguns comportamentos violentos, inclusive como “normais”, “naturais” e em alguns casos, como “provas de amor”.  Questões como:

- Existem características comuns às pessoas que são vítimas e as que são agressoras?

- Quais são as principais crenças que envolvem a violência no namoro? A violência no namoro pode estar envolta em crenças?

- Como identificar os sinais mais comuns da violência no namoro?

- Quem exerce mais violência: os rapazes ou as moças?

- Quais são as consequências / impactos da violência no namoro para a vida destes rapazes e moças?

- Como a família e a escola (incluindo a Universidade) poderão trabalhar na prevenção dessas situações de violência? serão debatidas na Webinar, cujo objetivo é abrir espaços de diálogo e reflexão acerca de um tema ainda bastante inexplorado, especialmente na realidade brasileira.

 

Convidadas

Tânia Aldrighi Flake - Brasil

Doutorada pelo Programa de Medicina Preventiva da Universidade de São Paulo. Graduação em Psicologia pela Universidade Paulista (1980), Mestrado em Psicologia (Psicologia Clínica) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e Especialista em Psicoterapia Familiar e de Casal (PUC-SP). Atuação na área de Psicologia Clínica e Social, com ênfase nos seguintes temas: família, casal, violência familiar e violência entre parceiros íntimos. Experiência como docente e supervisor em graduação e pós-graduação lato sensu, nas áreas de psicologia jurídica e de psicoterapia familiar. Docente no curso de Psicologia da Universidade Anhembi Morumbi. Membro do consortium de pesquisadores - International Dating Violence Study e International Parenting Study vinculado à New Hampshire University.

Contato: Universidade Anhembi Morumbi, Curso Psicologia. Rua Dr. Almeida Lima, 1134, Mooca, 01302907 - São Paulo, SP - Brasil, Telefone: (11) 963075796.

 

Cecília Loureiro - Portugal
Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde e doutoranda em Ciências da Educação. Tem Formação específica na área da Violência de Género, é Técnica de Apoio à Vítima de Violência (TAV) e Membro da União de Mulheres Alternativa e Resposta -UMAR. Nos últimos anos tem feito Prevenção Primária da Violência de Género e Promoção dos Direitos Humanos nas Escolas, Família, na comunidade imigrante/Público em geral e Formação a docentes, em Portugal e na Alemanha. Fez investigação na área da Violência no Namoro, em Mulheres Imigrantes, Grávidas, Vítimas de Violência Doméstica, na Saúde e Saúde Ocupacional. Já apresentou mais de duas dezenas de comunicações em congressos nacionais e internacionais, escreveu em revistas e jornais, publicou artigos científicos e 3 livros publicados ( 2 ) em coautoria.

Contato: cvaloureiro@gmail.com

 

Como introdução ao assunto, sugerimos que ouçam as palestrantes (clique nas imagens):

                           

 

 

Recomendamos:

 

Organização:  
 Dhilma Luci de Freitas

 

Apoio Técnico

 

Gabriela D. de Carvalho 
Kátia Alexandre             
Marisalva Fávero            
Marta Caseirito                    
Dulce Mourato                     
 

 

Registre aqui suas perguntas/dúvidas sobre o assunto ou comentários sobre as reflexões promovidas por essa webinar.

Data: 08-07-2016

De: Jocelia machado de Paula martendal

Assunto: Violência

Como pode alguém machucar uma pessoa e dizer que ama, e muitas o agredido acredita que isso é pra mim isso tem um nome agressão.

Data: 10-06-2016

De: Martha Abrantes Gonçalves

Assunto: Violência no Namoro

Boa tarde, o link para essa webinar não está disponível, no local está o link para a webinar anterior. Como posso acessá-lo? Obrigada

Data: 10-06-2016

De: Gabriela da Silva

Assunto: Vídeo.

Não consigo encontrar o vídeo desta aula. Por favor qual lugar posso acessar. Abraços...

Data: 27-04-2016

De: Rosa Oliveira

Assunto: Misogenia

Tem como descobrir desde que o homem ainda é menino a misoginia em seu caráter?

O que uma mãe ou quem estar criando essa criança pode fazer para mudar esta forma de aversão?

Abs.

Rosa

Data: 27-04-2016

De: Rosa Oliveira

Assunto: Violência no Namoro

Já teve algum estudo do porque as meninas não acreditarem que seus namorados, são violentos e que podem se tornar pior a cada dia?
O que as meninas alegam?

Obrigada,

Rosa

Data: 27-04-2016

De: Rosimeire

Assunto: Violência no namoro

O que leva a garota gostar e considerar seu namorado "melhor", simplesmente por ser machão e muitas vezes agressivo com ela mesma?

Data: 27-04-2016

De: Eroni

Assunto: Namoro na Pré adolecência

OLÁ,
Gostaria de saber como identificar a violência no namoro na adolescência, e quais atitudes a ser tomadas quando os próprios pais autorizam um filho(ª)namorar com 13 anos de idade,que é considerada criança?

Data: 27-04-2016

De: Anai A.Hoppen -Udesc /Campos Novos /EAD

Assunto: Violência no Namoro

Prof. Cecília Loureiro

No seu país, quais as medidas que são tomadas nas escolas diante da violência no namoro.

Obrigada

Anai

Data: 27-04-2016

De: Anai Almeida Hoppen

Assunto: Violencia no Namoro

Quais as principais causas da violência no namoro? Como identificar a violência no namoro?

Data: 27-04-2016

De: Maria Ap.

Assunto: Namoro na Pré adolecência

Olá, sou mãe de 2 filhos, um com 32 anos casado e uma filha de 13 anos, gostaria de saber se é normal com essa idade ela ter interesse por alguém e se apaixonar, estou um pouco assustada pois necessito de orientação para poder entender e poder orientar adequadamente, sem assustar, quero ajudar com palavras certas e não com proibições e castigo, pois a conversa é o melhor caminho, minha filha é muito minha amiga e não quero perder essa confiança que ela deposita em mim.

Itens: 1 - 10 de 12
1 | 2 >>

Novo comentário